Inserir Notícia

Aprenda a separar as finanças pessoais das empresariais

 

Ao criar este distanciamento entre os custos pessoais e empresariais, o resultado e a rentabilidade são mais sólidos e esteváveis. Gera uma visualização capaz de identificar qual setor está se investindo mais, enxergando claramente os custos reais com folha de pagamento, fornecedores, aluguel de sala, conta de luz, e demais despesas. Com uma conta bancária para atender essas demandas, e as pessoais, se torna quase impossível observar as receitas e despesas em cada fatia. Além do mais, estará violando o princípio contábil da Entidade, que obriga que esta separação de receitas e gastos pessoas e físicas seja respeitado. Isso pode levar até à uma advertência do Conselho Regional de Contabilidade (CRC) ao contador da empresa.

 

MEI – Microempreendedor Individual

 

É comum entre os empreendedores MEI acontecer essa junção de contas pessoais (CPF) e contas como pessoa jurídica (CNPJ). Este tipo de empresa foi criado com o intuito exatamente de formalizar pequenos trabalhadores informais. Foram beneficiados vendedores ambulantes, uma gama enorme de profissionais autônomos (cabeleireiros, depiladoras, manicures), pequenas lojas virtuais, entre outros.

 

Como empresas cadastradas como MEI não possuem uma regra que imponha a separação dos patrimônios, e não é necessário a contratação de um contador para lidar com os recursos da empresa, muitos proprietários acabam cuidado de suas finanças pessoais e empresariais de forma conjunta.

 

Essa prática pode causar confusão e até prejuízos aos empresários. A separação das contas pode inclusive auxiliar em tomada de decisões mais favoráveis para o crescimento da empresa. O empresário MEI pode (e deve) também retirar um pró-labore, mas este deve estar dentro do valor máximo permitido por lei.

É necessário que um contador faça essa organização?

 

Dependendo do tamanho da empresa não é de extrema necessidade. O contador também está presente para fazer a parte contábil da empresa, porém o que acontece com frequência é que o próprio responsável pelo departamento financeiro faz movimentações de cunho pessoal, usufruindo das finanças da empresa. Por isso, uma pessoa de fora pode lidar com mais distanciamento. A mistura entre gastos pessoais e da empresa podem implicar no momento de fazer o Imposto de Renda, e levar à uma malha fina.

 

Como fazer esta separação?

 

 

A melhor forma de começar é ter uma conta bancária para a pessoa física e uma conta para a empresa, e só as movimentar de acordo com suas finalidades.  Com isso se pode enviar relatórios para a Receita Federal anualmente, possibilita resultados exatos e confiáveis das movimentações realizadas pela empresa.

 

É preciso ter atenção também com os recursos que emitem nota fiscal, muitas vezes acontece de se comprar um equipamento para a empresa, e a nota fiscal ser emitida pelo CPF do proprietário. O que for adquirido para a empresa deve ter nota emitida com o CNPJ, porque contabilmente é um bem imobilizado, e deve constar no balanço patrimonial da empresa.

 

Um dos maiores equívocos cometidos por proprietários de empresas, sobre tudo no início do negócio, é não prever um salário fixo. Um rendimento salarial é estritamente necessário para manter em ordem o controle financeiro no ambiente empresarial, e também no pessoal. Para isso tem o pró-labore, que é a média calculada entre duas situações:

  1. O valor que o sócio ou dono do negócio precisa para se manter;
  2. O que é pago no mercado para cargos de sócios ou chefias;

Muitos empresários ao invés de retirar seu pró-labore colocam a empresa para pagar as suas contas pessoais, como conta de luz ou plano de saúde. Este tipo de situação faz com que a empresa perca o controle quanto aos custos de operação. Deve ser retirado pelo proprietário um valor fixo mensal, e não um valor fluente que pague as contas no mês.

 

Uma boa medida a se tomar é criar uma rotina administrativa de atualizar todos os números referentes a empresa, e referente as finanças pessoais (que também merecem cuidados) em ambientes diferentes. Desta forma, com o uso de uma ferramenta de gestão financeira, como o MonetaWeb, percebe-se claramente o quanto de receita e o quanto de dinheiro é despendido para casa situação.

 

Fique sempre atento ao nosso blog para ter mais informações de como cuidar da saúde financeira de sua empresa.

 

 



Link da Matéria Original: noticiadorweb.com.br/index.php?action=show&secao=exibir_noticia&noticia_id=17181

Autor: BisaWeb

Data de Publicação: 14/10/2019

Esta notícia já foi visualizada 57 vezes.


Imprimir notícia       Enviar notícia por email
Seu nome
Seu e-mail
Nome do seu amigo
E-mail do seu amigo

Comentários



Deixe um comentário


Desejo receber notificações se alguém mais comenta a noticia.